sábado, 15 de dezembro de 2012

O ano na balança

Eu sei que ainda falta mais uns dias para o final do ano, mas já estou colocando o querido na balança. Você sabe que o tempo voa, portanto daqui a pouco a gente abre o olho e, pronto, está em 2013.

Antigamente, eu fazia listas em caderninhos. No final do ano relia tudo que tinha escrito para ver se havia concluído minhas metas com sucesso. Com o passar do tempo resolvi deixar essa prática de lado, mas ainda assim sigo fazendo listinhas mentais.

Sempre fui muito na minha. Sem maldade, achava que o mundo estava ao meu lado e que as pessoas só tinham bons sentimentos no peito. Amarga ilusão. Por isso, hoje, guardo para mim. Quem vê até pensa que "espalho" a vida, mas as minhas prioridades ficam guardadas a sete chaves. Nem meus melhores amigos sabem. Melhor assim. Aprendi que certas coisas devem ficar (bem) guardadas dentro da gente.
 
Este ano foi bondoso comigo. Viajei bastante, tive pequenas vitórias e gratas surpresas da vida. Por isso, sou grata. Acho que a gratidão é uma coisa bonita, bem como a delicadeza. Essa duplinha devemos manter sempre ao nosso lado. Pena que tem gente que esquece do significado dessas palavras.
 
Continuo teimosa. Não adianta, entra ano e sai ano certas coisas não mudam jamais. Não consigo ver injustiça, então compro brigas que nem são minhas. Não gosto de gente sem opinião. Preciso admirar as qualidades e ideias de uma pessoa para ser amiga dela. Tenho um pouco de agonia de quem não pensa, de quem vai de acordo com a maré, de quem não tem pulso, de quem não gosta de se indispor com ninguém e por isso fica em cima do muro. Sempre tive uma opinião forte. E prefiro ser assim do que ser uma mosca morta que ri para todo mundo só pra não perder a amizade de ninguém. Não sou de fazer tipo, se eu gosto eu gosto. Essa coisa de tipo não combina comigo, porque eu não sei ser fingida. Não consigo rir para você se não gosto de você. Se eu não te suporto, é bem provável que seja apenas educada, mas nunca vou ser sua amiga. Continuo impaciente. Não sei esperar, detesto filas, não tenho paciência com quem fala devagar, anda devagar, vive devagar. Penso que se consigo fazer quatro coisas ao mesmo tempo você também consegue. Mas estou enganada, eu sei. As pessoas são totalmente diferentes e isso eu tento aprender todo dia. Não gosto de quem não sabe rir. E também prefiro ficar longe de pessoas negativas, que só sabem criticar, julgar ou apontar onde o outro está errado. Acho que cada um é dono do seu próprio nariz e, sinceramente, tenho mais o que fazer da minha vida. Tem gente que desperdiça um tempo danado cuidando da vida do vizinho ao invés de olhar para si mesmo. Procuro olhar para mim todo dia, mas de vez em quando sei que fecho os olhos. É que é mais fácil a gente tapar o sol com a peneira.

Tenho muito o que mudar, muito para evoluir, muito para alcançar. Já comecei uma listinha para o próximo ano, está tudo anotado aqui na minha cabeça, com letras imaginárias. Mas os meus pedidos, por incrível que pareça, nem são para mim. Meus pedidos são para meus pais, quero que eles tenham muita saúde e paz. Meus pedidos são para meu irmão e cunhada, quero que eles tenham muita saúde e paz. Meus pedidos são para meus avós, quero que eles tenham muita saúde e paz. Meus pedidos são para meus tios, tias e primos, quero que eles tenham muita saúde e paz. Meus pedidos são para meus amigos. Que tenham muita saúde e paz. Repetitiva? Sou, sim. E eu também quero, caso sobre, muita saúde e paz.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Aproveite cada momento, é coisa rara...

"Uma janela aberta para o sol, tudo lá fora refletindo luz e os pássaros brincando no azul".

"Como é bom poder acordar, abrir os olhos e saber, que tem Alguém que cuida da gente, mesmo sem a gente merecer"...

"O raiar do sol é recomeço, clareando a esperança logo de manhã. Abre a janela, deixa o dia amanhecer. Deixe o dia lhe mostrar o céu azul".

"Quando é de manhã, o dia é mais bonito. Quando é de manhã, o amor é infinito. Quando é de manhã, o galo canta. Quando é de manhã, eu sei por qual caminho eu vou seguir. Quando é de manhã, a noite virou dia"...

Concluo com minha frase preferida: Viver hoje e todos os dias como se tudo fosse terminar com o pôr do sol. A vida é um dom e não pretendo desperdiçá-la. Fazer valer a pena...

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Sobre coisas e pessoas.


Tanta gente vazia por aí. Tanta gente orgulhosa, vaidosa, invejosa. Tanta gente que vê tua felicidade e cruza os dedos pra que ela passe. Tanta gente que vê teu sucesso e inveja isso como se fosse fácil conquistar o que se conquista, como se as coisas caíssem do céu. Tanta gente que não sabe o valor das coisas e julga tudo sem entender nada. Tanta gente que se dá ao trabalho de traçar teu perfil, fazer teu raio x sem ao menos te conhecer 1%. Tanta gente achando que tem o direito de te julgar, apontar o dedo, quando é você que paga suas contas. Tanta gente querendo advinhar o que se passa por dentro. Tanta gente que te abraça por obrigação. Tanta gente vazia por aí que às vezes é melhor ficar dentro da bolha e simplesmente viver, sem se importar... E que assim seja! =)
PS: Tem gente que não merece nem respirar o mesmo ar que você.

domingo, 11 de novembro de 2012

Uma móbile no furacão

Você diz que não me reconhece, que não sou a mesma de ontem e que tudo o que eu faço e falo não te satisfaz. Mas não percebe que quando eu mudo é porque estou vivendo cada segundo como se fosse uma eternidade a mais. Sou uma móbile solta no furacão, qualquer calmaria me dá solidão. Que ironia! Minha própria vida me trouxe de volta ao ponto de partida, como se eu nunca tivesse saído de lá. Quando a âncora do meu navio encosta no fundo, no chão, imediatamente se acende o pavio e detona-se minha explosão. Que me ativa, me lança pra longe pra outros lugares, pra novos presentes. Ninguém me sente...
Somente eu posso saber o que me faz feliz. Sou uma móbile solta no furacão, qualquer calmaria me dá solidão.

sábado, 20 de outubro de 2012

Hermética

Me mostra o que eu não vejo
Me diz o que eu não sei
Me faz vencer meus medos
Eu não quero mais viver assim
Meu mundo é tão pequeno
E tudo, tudo sempre igual
Existe outra vida que não seja assim
Tão natural?
Me mostra qual porta eu devo abrir
Agora eu vou viver a nova história
Não vou ficar tão limitado assim
Eu vou sair de dentro dessa caixa
Viver a vida que Tu tens pra mim
Me mostra os teus segredos
E o que já preparou
Me faz vencer meu erro
Que lá dentro, um dia, me trancou
E o que era triste sorriu
E o que era noite amanheceu
E o que era dor achou alívio
E toda culpa se perdeu
O que eu achava certo
O que eu acreditei
Eu posso ver de perto
Porque eu agora sei
Você abriu a porta
Me fez acreditar
Que existe vida pra fora

@Tanlan

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Fazer valer a pena



Não fazemos ideia de quantos capítulos farão parte da nossa história, quantos ciclos irão se encerrar, nem quantos irão se abrir. Quantas páginas iremos desvendar, nem quem iremos encontrar ou deixar pelo caminho. Mas durante a viagem, que procuremos fazer coisas bonitas, agir conforme nossa vontade sem que sejamos egoístas com o outro. Que jamais percamos a sensibilidade, embora ela - tão profunda - às vezes nos fira. Que nunca nos falte à alegria do recomeço, embora a luta seja constante e a perda inevitável. Que o universo conspire a favor do que queremos, não nos dando tudo em mãos, mas dando a ferramenta necessária pra ir em busca. Que depois dos tropeços, sejamos capazes de levantar e continuar. E acima de tudo: que nunca nos falte amor. Seja lá como for.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Escolhas...

De todas as pessoas no mundo eu escolhi eu mesma. Parece estranho, mas resolvi me amar mais, me respeitar mais e me valorizar. Não sou um simples brinquedo que ao enjoar de vê-lo o colocam no canto do esquecimento. Sou um ser humano capaz de fazer a sua própria história mesmo que os outros torçam contra. Ser alguém independente só depende de mim. Ninguém lutará ou responderá por minha pessoa. Como sempre ouço falar, a vida não vem como um presente, de mãos beijadas. Tem que ter esforço, determinação e ser forte, feito árvores que entre grandes enxurradas ainda continuam presas no chão.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Só pra quem sabe ler e entender...


Quem me conhece sabe o quanto prezo meus amigos, o quanto me dôo pra minhas amizades, e que sou prestativa por natureza, até a quem não conheço, até com quem não merece. Não me envergonho de dizer que confio demais nas pessoas e por isso facilmente e não raramente sou enganada.
Já aprendi muito nessa vida, mas a cada dia que passa vejo o quanto ainda preciso me superar. Também sei que parte da mudança é em mim e outra parte é ao meu redor. Preciso com urgência de pessoas de verdade.
Aquelas que conheço mas que estão longe, aquelas que posso olhar nos olhos e dispensar palavras, aquelas que eu sei que são sinceras do abraço às palavras, aquelas que perguntam se tá tudo bem e param pra ouvir a resposta, aquelas que não são fúteis, não se gloriam, não são empolgadas, não forçam aproximação, não são puxa-saco; aquelas pessoas raras hoje em dia, que tem conteúdo, sentimentos, aquelas pessoas que eu tenho sorte de conhecer e azar de morar longe.
Talvez o maior problema seja esse: a distância dessas pessoas queridas e ao mesmo tempo a proximidade com seres humanos que mais parecem bactérias de tão minúsculos e contaminantes. Imundos e repugnantes. Nocivos. Felizmente não são fatais, porque fatal é minha fé no bem, minha capacidade de evolução, de volta por cima e a carta na manga: contar com aquelas queridas pessoas já mencionadas, porque a amizade verdadeira atravessa qualquer entrave e sobretudo tenho Deus no meu coração.

*
As 'pessoas' me fizeram desacreditar nas pessoas.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Menina, não vá desanimar!

Ela é forte, sua graça é divina.
Não é sorte, seu pai lhe fez bendita e ela brilha, grande menina.
Ela pode, só não sabia, ela só não sabia.
Se ela sofre, faz poesia.
Pra que decote, se ela tem simpatia?!
Nem é nobre e rei chama de filha.
Ela vence por teimosia.
Quem lhe deu toda essa ousadia?
Quem desperta nela, tanta alegria?
Não é o príncipe de cavalo manco, foi aquele rei do cavalo branco.
Esse é o segredo, dessa menina.
Nem todos saberão te amar, nem todos saberão te valorizar.
Contudo, você tem tudo, vá e conquiste o seu mundo.
Então menina, não vá desanimar...
Feche os olhos e você vai encontrar a força que precisa para alcançar, o céu em você vai apostar.
Se cair, levante e caminha. Você é linda e tem companhia.
Você é forte, só não sabia.
Não vá desanimar...
Não vá desanimar.
Não vá desanimar.
Quando ela decide acreditar, ela é forte e sabe sonhar.
Imperfeita princesa cheia de realeza, que em sua história escolheu lutar.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Avante...

Com os olhos de quem quer ter uma oportunidade, com os olhos de quem quer ter uma vida de verdade. É assim que eu olho, é assim que eu vejo. Quem ousou conquistar e saiu pra lutar, chega mais longe, tem gente que nem quis tentar.

Vou correr, vou superar, pode doer, não vou brecar. Boto fé em já e força nos meus braços. As muralhas que eu puder eu mesmo derrubo, aquelas que não der, Deus põe no chão pra mim.

Impossível é uma palavra muito grande que gente pequena usa pra tentar nos oprimir. Impossível é uma palavra muito grande que gente pequena usa pra tentar te oprimir.

Mas a vida ensina só eu sei o que passei... A vida não é fácil, mas eu tô ligada, eu sei. Eu sigo meu caminho, tô firme, tô ai. Não há nada nessa vida que me faça desistir.

São várias fitas e só segura quem é nobre, força de vontade e pensamento forte. Se disserem pra você que você não vai conseguir, deixa pra lá, deixa sorrir.

Avante, Camila. Firmeza na rocha, fé no Redentor.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Eu sou tão jovem...

Me perguntam tanta coisa, mas eu sou tão jovem. Me oferecem tanto que eu me sinto pobre. Me tiram do sério quando me olham da cabeça aos pés. Eu já ouvi tanta bosta, mas eu sou tão jovem. Me pedem tanta calma, mas eu sou tão jovem. Queria e ainda quero poder viver do que eu sei fazer, mas se não é concreto dizem que é detalhe. Eu vou tentar mesmo que você fale que não dá, que não há tempo. Me pedem tanto tempo, mas eu sou tão jovem. Me pedem atenção, mas eu durmo tão mal. Me pedem o que eu não tenho, pra eu não me dar conta, do quanto meu endereço fica longe do meu lar.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Vamos fugir, pra outro lugar, baby?

Eu vou sair por aí... Vou onde a vida quiser me levar, não tenho hora de partir nem mesmo hora pra voltar. Vou voar além do pensamento, o meu compromisso é com a liberdade. Agora vou viver o presente, sem sonhos nem tampouco saudades.
Um brinde à vida, um brinde à coragem, ao silêncio e à inspiração. A sina de todo poeta é buscar o amor na solidão. Vou sair pra ver o céu, vou me perder entre as estrelas e ver da onde nasce o sol.
Os meus passos, nunca mais serão iguais. O pé na estrada eu vou botar, e já tá na hora de ir... Um lindo horizonte e um céu azul, o que mais eu poderia pedir? O pé na estrada eu vou botar, lá vou eu, por novos caminhos seguir, com a lua lá no céu a olhar pra mim, eu vou sobre as estrelas dormir.
E se a chuva cair, não vou parar. Qualquer tempestade tem fim, e o vento no meu rosto a soprar, me faz sonhar. O que eu quero é caminhar assim... Vou seguindo meu caminho... Eu vou seguindo.
Hoje eu vou sair por aí. A vida é tão curta, só quero aproveitar. Não vou ficar entregue à rotina, com a cara pra cima, vendo o tempo passar. Vou saí por aí sem me preocupar. Esquecer as horas, pensar em nada, vou pra estrada, seguir o melhor caminho que encontrar.
Vou viajar. Botar o pé na estrada destino ao mar, contemplar, ver na natureza beleza que há. Eu vou sair por aí... Deixar tudo rolar, ouvir a música e cantar. Se por acaso quiseres me encontrar, podes me procurar nas nuvens ou no mar. Eu vou pra onde o vento soprar paz e amor.

PS: Pra quem achar estranho... Eu nunca fui normal, mesmo...

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Tem que acontecer

Não fui eu nem Deus, não foi você nem foi ninguém. Tudo o que se ganha nessa vida é pra perder. Tem que acontecer, tem que ser assim, nada permanece inalterado até o fim. Se ninguém tem culpa, não se tem condenação, se o que ficou do grande amor é solidão. Se um vai perder, outro vai ganhar. É assim que eu vejo a vida e ninguém vai mudar...

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Últimos dias...

Talvez Deus tenha um plano maior para mim, do que eu mesma tenho.

Às vezes é preciso se afastar das pessoas que você ama, mas isso não quer dizer que você os ama menos, às vezes, você os ama ainda mais...

É, pode ser que a maré não vire. Pode ser do vento vir contra o cais. E se já não sinto teus sinais... Pode ser da vida acostumar.

Não, eu não me arrependi de nada. Vida voa e o tempo é outro já. Você mudou e eu também, tô aqui só pra saber que existe saudade. Ainda bem!

‘E’ e ‘se’ são duas palavras tão inofensivas quanto as palavras podem ser. Mas, coloque-as juntas, lado a lado, e elas têm o poder de perseguir você pelo resto da sua vida. E se… E se… E se… Eu não sei como a sua história terminou, mas se o que você sentia naquela época era verdadeiro amor, então nunca é tarde demais. Se era verdadeiro então, por que não seria agora? Você só precisa de coragem para seguir seu coração. É difícil imaginar um amor como o de Julieta, um amor que nos faça abandonar entes queridos, que nos faça cruzar oceanos. Mas eu quero acreditar que se eu um dia eu sentisse esse amor, teria coragem de perseguí-lo. E, se não fez isso, espero que um dia o faça.

Finalmente compreendi o que o verdadeiro amor realmente significa (…) O amor significava pensar mais na felicidade da outra pessoa do que na própria, não importa quão dolorosa seja sua escolha.

É o que as pessoas dizem [que o tempo muda tudo]. Não é verdade. Fazer coisas é o que muda algo. Não fazer nada, deixa as coisas do jeito que eram.

As pessoas não mudam com cobranças. As pessoas mudam com exemplos.

É preciso ter muita coragem pra ser conservador. Estar na moda é que é fácil.

O caminho do engano nasce estreito, mas sempre encontrará quem esteja disposto a alargá-lo.

Um dia eu vou te ver... e você vai me encontrar ao lado e tão distante.

Somos fracos e fortes de um jeito que não conhecemos tanto.

É claro que os sentimentos mudam. As pessoas fazem com que isso aconteça.

O amor é frágil. E nem sempre sabemos cuidar dele. Procuramos fazer o melhor possível. E esperamos que uma coisa tão frágil como esta sobreviva.

Aprendi que amar não significa estar junto, mas sim querer ver a pessoa feliz, mesmo que isso custe a sua felicidade.

A vida aproxima, o tempo leva. O tempo traz de volta, a vida leva. Eles não se entendem mesmo.

A vida não é justa. Mas também aprendi que é possível seguir em frente, não importa quanto pareça impossível. Com o tempo, a dor… diminui. Pode ser que não desapareça completamente, mas depois de um tempo não é massacrante.
Não é que eu desisti é que apenas aceitei que não daria certo.

terça-feira, 29 de maio de 2012

É preciso entender!

Resolvi aceitar algumas coisas da vida, sem dor. Ninguém vai ser como você sonha, não espere consideração nem que os outros façam o que você faria. Não espere que valorizem seu esforço. Não espere que lhe ofereçam a mão. Apenas viva. É preciso entender que o outro é diferente e de vez em quando ele vai lhe magoar (e você precisa lidar com isso). Não espere compreensão. Não espere que a vida seja fácil. Nem sempre ela é. Não espere para viver, tem coisa que não volta.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Meu irmão vai casar...


Estou escrevendo porque não consigo falar, me expressar, fazer sair,  fato. Escrevo porque talvez eu consiga me expressar melhor. Infelizmente eu sou assim, sinto demais, sinto muito...  Podia sentir menos e menos e menos. Mas não adianta, tudo me atinge, abala, afeta, arrebenta, maltrata, violenta de uma forma absurda e intensa. Eu não preciso de laxante para as emoções. Nunca sei direito se a vida me fez assim, as situações fizeram com que eu me tornasse assim, não sei, não sei mesmo. A vida maltrata quem sente demais. Quem sente demais acaba sofrendo mais que a maioria das pessoas. Tudo importa, tudo é exagerado, tudo sentido de corpo e alma. Alma, principalmente. Eu posso não demonstrar em beijos e abraços o quanto você é importante pra mim e o quanto eu te amo. Mas eu te amo muito e você vai fazer uma falta do cacete meu irmão.  

Meu irmão vai casar… Parecia que faltava tanto tempo quando eles marcaram a data. Meu irmão vai casar... Eu tinha certeza que sentiria o apertinho no peito que estou sentindo. Mas meu irmão está feliz, isso é o que importa. Que ele não apenas esteja, mas que seja... Desde que me entendo por gente ele está na minha vida. Lembro-me vagamente das brincadeiras e também das brigas que tínhamos quando pequenos. Lembro-me de defendê-lo quando ele estava no sufoco, mesmo sendo mais nova, eu que o protegia sempre. Lembro-me de assistir Power Rangers, Tartaruga Ninja, Castelo Rá-Tim-Bum e Cocoricó só porque ele gostava.  Meu irmão vai casar... A casa ficará mais vazia e silenciosa. Agora eu não vou mais saber quando ele chegar da faculdade. Agora não terá mais ele pra pegar minhas coisas e não devolver, consequentemente, me irritar. Não haverá mais trocas e “confusões” com as escovas de dente, num é Bruno? Só ele mesmo pra escovar os dentes com a minha escova e dizer: Foi sem querer. Meu desodorante agora vai render mais. Não terei mais aquele bocão fazendo barulho, falando e cantando pela casa, como se todos quisessem ouvir.  Até os sapatos dele espalhados na cozinha vai fazer falta, será a prova de que ele não está mais em casa mesmo. Assistir aos jogos do Santa Cruz, torcer, comentar, tirar onda, também não será mais do mesmo jeito, mesmo que eu vá pra sua casa será no mínimo diferente. Dyana é rubro-negra, (que mau gosto... Espero que você tenha competência pra mudar isso, kkkkkk). E já aviso, meus sobrinhos serão tricolores, viu Dyana?)

Meu irmão vai casar... Na nossa casinha vai faltar graça e sobrar espaço. Se vai Bruno, Alexandre, Crô e Valéria Bandida. Os desfiles e danças de cueca vão pra outro endereço agora. Na feira de supermercado, não terá mais tanto sentido colocar Goiabinha, Todinho e Geleia de mocotó, mesmo assim, vou colocar alguns, pra quando você vier nos visitar. Não vou ter mais com que brigar e discutir. Acho que nem vou mais poder dizer: - Fui eu não. Só vai ter eu mesmo... kkk. Aos domingos, antes de ir pra igreja, vou lembrar de você vindo aqui no meu quarto perguntar: - “Tá boa essa roupa? Cheira aqui pra vê se está fedendo! Está amassada? Tá bem ensacada? Oush, você nem viu direito e tá dizendo que está”.

Meu irmão vai casar... No começo vai ser “difícil” pra eu me adaptar e tudo me lembrará você. Agora eu vou ter que aprender a viver sem “conviver” com você diariamente como foi durante esses meus 24, quase 25 anos. Mas, enquanto for um berço meu. Enquanto um terço meu... Serás vida, bem vinda. Serás vivo, bem vivo em mim.

Meu irmão vai casar...  Está chegando cada vez mais perto... O que é que eu faço? Não sei se me calo, se grito ou também caso. Nesses casos que a vida nos coloca, sobram casais e nasce uma vida nova. Fazendo a busca da felicidade “a dois” mais uma árdua prova. E não é só de sonhos, pois o amor é uma certeza concreta.  Uma longa caminhada em que se perde tudo para encontrar o mistério. As dúvidas não desaparecem como em filmes românticos. No mundo real elas ajudam a perceber que o amor é também uma difícil escolha. Dessa escolha é que se vai meu irmão, deixando para trás nossa infância, adolescência e a famosa canção. E nas rodas vivas que cantamos, muitas coisas ficarão pra sempre na minha memória. Pois se conclui uma, mas em festa começa para ele uma nova história. Por isso me sinto casando com ele, “temeroso”, mas pleno de felicidade pelo novo. Estarei sempre perto.  Desejo aos nubentes muitas felicidades e um casamento do tipo dos velhos tempos, onde o amor e o respeito imperam. Esse dia chegou! Te amo pra sempre! E pra minha poesia é o ponto final. É o ponto em que recomeço.

PS: Dyana Rodrigues da Silva Albuquerque, você está levando a 2º coisa mais importante e valiosa que eu tenho nessa vida. Cuida dele direitinho tá?  Isso é um pedido e uma ordem! =)

...E se eu chorar e o sal molhar o meu sorriso, não se espante, cante, que o teu canto é a minha força pra cantar. Quando eu soltar a minha voz, por favor, entenda... É apenas o meu jeito de dizer o que é amar...

domingo, 13 de maio de 2012

Sobre o dia da mãe...

É engraçado como algumas coisas marcam a nossa infância. Minha mãe me ensinou desde muito cedo a cumprimentar as pessoas, dar bom dia, boa tarde, boa noite. É por isso que acho que certas coisas são de berço. Educação não vende em prateleira do supermercado. Espero poder ter a clareza, a firmeza, a sanidade e a serenidade para transmitir para os meus filhos a infinidade de coisas boas que recebi. Estudei em uma ótima escola, em uma boa universidade, pude fazer aulas de inglês, natação, futsal, academia. Tive “tudo” que eu quis, aprendi o valor do certo e do errado e descobri que quando a gente quer uma coisa precisa ir atrás: nada cai no colo sem esforço. Fiquei de castigo e apanhei algumas vezes. Nada disso me traumatizou e minha infância foi bonita. Tenho boas recordações e um pouco de saudade de como as coisas eram simples e puras. Ser criança é tão mais fácil, né? Vida de adulto às vezes causa azia e má digestão.

Minha mãe (assim como eu) está longe da perfeição, afinal, somos humanos, mas ela me deu tudo que conseguiu. Não falo de coisas materiais, falo de amor, carinho, atenção. Minha mãe não teve uma infância muito fácil. Por isso, ela nos fez (eu e irmão) prioridade. Dizem que a gente dá tudo que não teve. E ela nos deu tudo aquilo que não recebeu. Ou que quis receber e não conseguiu. Ela tem personalidade forte, é mandona, gosta de dar a última palavra sempre, às vezes tem um humor do cão, mas tem um coração bonito e ajuda quem precisa. Quando estou braba faço bico que nem a minha mãe. E tenho várias manias que ela tem. Acho graça, pois antes eu recriminava e hoje faço igual. Quando está braba com outras coisas desconta em mim. Minha mãe é assim: fica braba com um e desconta em outro. Sou igual. Minha mãe começou a se virar cedo, estudou, trabalhou muito, se formou. É por isso que sempre quis que a gente tivesse uma boa educação, boas oportunidades. Ela sempre se preocupou em nos proporcionar as melhores coisas. E sempre achou que a gente deve fazer por merecer. Nada vem de graça, tudo é batalhado. Acho bonito isso na minha mãe. Ela é uma batalhadora. Uma mulher culta, íntegra, é a pessoa mais honesta que eu conheço. Uma mulher reservada, quietona, crítica. É incapaz de fazer mal pra alguém. Ela nem sempre sabe demonstrar o que sente. Mas dá pra ver claramente certas coisas. Ela parece meio fria, pois não manifesta muita emoção e não é exatamente aquele tipo de pessoa que beija e abraça o tempo todo. Mas ela tem muito amor pra dar. E é uma pessoa incrível.

É interessante como a gente amadurece e começa a ver as coisas de outra forma. Eu não tenho a memória muita boa, não armazeno no meu HD mental muitas lembranças, momentos, situações, mas tem muita coisa boa guardada a sete chaves dentro do meu pobre coração. São essas coisas assim, muito peculiares, que formam uma família e boas histórias para contar.

(Feliz todo dia, mãe. Acho que não existe uma data especial pra dizer o quanto amo você. Pode soar meio clichê, mas todo dia é dia da gente dizer o que sente. E eu tenho o maior orgulho de ter você como mãe. Obrigada por tudo).

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Cada um sabe a alegria e a dor que trás no coração...

 Cada um tem um tempo. Nem toda ferida cura na mesma hora. O que dá certo pra mim pode não dar pra você. E tudo bem, não estou certa e você errado. Somos diferentes. Sentimos de forma diferente. Tivemos experiências diferentes. Temos cicatrizes diferentes. E é isso que faz com que cada pessoa seja única e especial.

terça-feira, 8 de maio de 2012

Tentando entender as coisas...

Todo dia eu penso: podia sentir menos e menos e menos. Mas não adianta, tudo me atinge, abala, afeta, arrebata, maltrata, alegra, violenta de uma forma absurda e intensa. Nasci pra ser intensa e dramática.
Frequentemente, tenho a sensação de que a vida das outras pessoas é tão simples e que só a minha que é complicada. Tenho andado meio infeliz ultimamente. Sei que até parece pecado dizer isso perto de tanta gente quase morrendo e passando necessidade. Sei que tem muita gente que não tem onde morar, o que comer, o que vestir. Sei que muitos não têm emprego, família, amor. Sei que muita gente tem doença terminal ou algum transtorno grave. Sei de tudo isso, mas desculpa, preciso falar a verdade: ando meio infeliz. Às vezes tenho a impressão de que sempre tenho que estar bem disposta, ser legal, amiga, gente boa. Não tenho o direito de ter problemas, estar de cabeça quente ou cheia ou simplesmente de estar assim, meio infeliz da vida. Com licença, estou infeliz. Estou mesmo. Não sei dizer o motivo, são algumas frustrações, algumas coisas muito minhas, algumas mágoas que não consigo colocar para fora, porque eu sou assim, escrevo, escrevo e escrevo, mas na hora de abrir a boca pra falar nem sempre sai. Tem coisa que guardo, tranco lá dentro e jogo a chave fora. Preciso me sacudir e fazer a coisa toda sair, mas nem sempre dá, então fico nessa vibe meio infeliz de tudo, infeliz com tudo, infeliz pra sempre. Até o dia que deixar de ser. Até o dia que conseguir falar, me expressar, fazer sair. Preciso de um laxante para as emoções.
Nunca sei direito se a vida me fez assim, as situações fizeram com que eu me tornasse assim, não sei, não sei. A última e única coisa que lembro é de sentir. Eu sinto o sentir. Sei que parece papo de louco, mas é verdade, é real, sinto demais. A realidade me consome. Mas me consome e-xa-ge-ra-da-men-te.
A vida maltrata quem sente demais. Quem sente demais acaba sofrendo mais que a maioria das pessoas. Tudo importa, tudo é exagerado, tudo é sentido de corpo e alma. Alma, principalmente. Pessoas "sem cera" têm a alma do tamanho de um bonde. Não acho que eu seja a pessoa mais sincera do planeta. Eu minto de vez em quando. Tenho inveja. Tenho defeitões. Mas eu sempre agi de acordo com meu coração, meu instinto, meu amor pelas coisas. A gente precisa ter amor pelas coisas. E raiva também, pois nem só de amor e sinceridade se vive.
A raiva serve para a gente colocar pra fora o que está desajeitado no peito. Porque de vez em quando tudo vira zona, bagunça. Precisamos arrumar, colocar ordem no nosso galinheiro. Não é fácil nem rápido, mas é necessário.
Por ser assim, sinto dores que não são minhas, tomo dores que são dos outros. Mas esse é meu jeito. Desde pequena, quando tava na quinta série e defendia o meu irmão, que era mais velho. Sempre fui desse jeito. E não acredito que vá mudar. Mas quer saber um segredo? Nem quero. Antes ser assim do que passar pela vida só vivendo um dia depois do outro. Se é pra viver, que seja de forma intensa.