sexta-feira, 11 de março de 2011

Que mundo é esse que ninguém entende um sonho? Que mundo é esse que ninguém sabe mais amar?

Depender e confiar em Deus talvez seja a coisa mais difícil que tento fazer. Fico vendo os ponteiros dos relógios passarem, as folhas dos calendários sendo viradas, as pessoas correndo cada vez mais. Tenho a nítida impressão que as pessoas tem esquecido o coletivo e têm se preocupado apenas com seu EU. Primeiro EU, segundo EU, terceiro EU... Me pergunto sempre, que mundo é esse que ninguém entende um sonho? Que mundo é esse que ninguém sabe mais amar? As dores, os sonhos, os problemas, as preocupações, os sofrimentos, as calamidades não tem mais sensibilizado ninguém, tudo isso tornou-se rotineiro. No momento impacta, choca, mas depois é como se nada tivesse acontecido. Meu Deus, a que ponto chegamos?! Me acho tão diferente, tão alheia, tão perdida nesse mundão. Penso ser de um outro planeta, sem exageros. Olho pras pessoas e me acho tão sentimental, tão idealista. Não sou de demonstrar sentimentos, mas sou cheia deles. Eu sofro em silêncio, amo com o olhar e falo por sorrisos. Sei que sozinha nada posso mudar, mas posso fazer minha parte. Em contra partida a tudo isso, penso, que rumo devo tomar? O que devo fazer? Se já não deveria estar com a vida ganha, se sou muito imatura pra minha idade, se estou levando a vida na brincadeira?! Fico pensando o que fiz ou o que poderia fazer?! Ou no que deveria ter feito e não fiz e vice-versa. Planejar? Esperar? Seguir? Parar? Tenho medo de um dia acordar e perceber que esperei demais, e o tempo passou. O que eu faço? Quando meus próprios planos dependem tão pouco de mim e vejo o tempo passar e nada acontecer? Tem coisas que só Deus... Mas uma coisa é certa: ninguém vai fazer por mim o que só eu posso fazer!

Um comentário:

anne disse...

quando li, pensei
ela parece que advinha.
amei este Mila.