quinta-feira, 20 de maio de 2010

Apesar de tudo

Eu sou espaçosa demais e falo muito rápido. Eu sou inflexível com minhas opiniões. Quando eu gosto de alguém eu gosto demais e quando não, sou totalmente indiferente. Eu sou intensa em minhas relações. Meu quarto é bagunçado, mas meus livros são organizados por tamanho. Escrevo cartas e textos e jogo fora. Eu analiso as coisas mais do que o normal. Eu sou crítica com gostos artísticos. Eu gosto de trabalhar. Eu tenho pensamentos que só fazem sentido pra mim e eu faço coisas que eu não entendo. Eu tenho mais de 20 anos. Eu não costumo deixar que me vejam chorando. Eu faço planos impossíveis. Eu não acredito no meu potencial como escritora, mas escrevo melhor do que falo. Eu sou impaciente com algumas pessoas que amo e paciente demais com desconhecidos. Eu me alimento mal. Eu reparo nos detalhes e esqueço o essencial. Na verdade, eu esqueço tudo. Eu não sou legal no msn. Eu me revelo aos poucos. Meu cabelo não me ama. Eu não tenho emprego. Eu sou perfeccionista. Eu sou moleca demais pra minha idade e quero crescer assim. Eu sou muito distraída. Eu sou completamente romântica. Eu durmo tarde. Eu acordo cedo. Eu odeio matemática. Eu odeio pagode, mas se tocar eu danço. Eu vou ao cinema sozinha. Eu não escuto muito bem. Eu não faço questão de flores. Eu faço questão de cartas. Eu sempre me sinto despreparada. Eu falo muita besteira. Eu transformo tudo em letra. Eu leio menos livros que gostaria. Eu desperdício meu tempo com besteiras. Eu falo errado quando estou sob pressão. Eu sou desafinada. Eu não sei tocar nenhum instrumento. Eu tenho dúvidas. Eu só sou bonita maquiada. Eu não sei contar piadas, nem resumir filmes.
Essa é a menor das listas sobre mim. E se você ainda tem dúvida.. eu não a fiz pra facilitar a alguém. A faço somente pra mim e percebo um segredo. Eu talvez até entenderia se eu não fosse amada. Há mais do que motivos plausíveis. E como ser comprada por um alto preço? E como entender que mesmo assim sou aceita? E como ainda ser amada? Pior, como conhecer a si mesmo e se achar digno? Eu muitas vezes fujo da difícil compreensão sobre a realidade de quem eu sou. Mas depois de se perceber um pouco não há como se esconder da grandeza do que é sermos aceitos apesar de tudo. Quando reconhecemos as falhas de alguém às vezes se torna bem difícil conviver com esse alguém. Mas então quando reconheço quem sou, percebo o quanto tenho dificultado a vida dos que estão por perto.. mas agora imagine eu, que convivo 24h do dia comigo mesma! É nessa hora que eu percebo o quanto preciso dEle sabe. E eu preciso tanto que até dói. E o fato dEle me aceitar ainda assim é uma verdade que me incomoda. Eu não mereço esse amor!Não mereço, mas preciso urgentemente. E no final eu começo a entender o presente que Ele nos dá. A graça. E a graça é nada menos que ser você e apesar de tudo, ainda ser chamado de filho querido.

Um comentário:

Patrícia disse...

Ela vai à lanchonete ver uma única pessoa pra fazê-la se sentir importante; ela não liga pra formspring mas faz pelos amigos; ela faz planos deir ao cinema comigo e nunca vai; ela tem um passinho de dança horrivel mas todo mundo imita; ela sabe abraçar e dizer eu te amo; ela tem os mesmos sonhos loucos e ousados que eu; ela é amiga, auxiliadora, dicipuladora; Ela é amada por mim!